Skip to content
Início seta Notícias seta Só há 11 centros de reabilitação respiratória para 100 mil doentes
Só há 11 centros de reabilitação respiratória para 100 mil doentes Imprimir e-mail
01-Jun-2010
Estima-se que em Portugal exista já meio milhão de portugueses com DPOC. Cerca de 80% dos casos são provocados pelo tabaco.

Há apenas 11 centros de reabilitação respiratória para as mais de 100 mil pessoas que sofrem de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) em Portugal, alertou a Associação Respira, na véspera do Dia Mundial Sem Tabaco.

Estes serviços apenas estão disponíveis nos grandes centros urbanos. Estão distribuídos por cinco hospitais da grande Lisboa, quatro do Porto, um em Braga e outro em Portimão, disse Luísa Soares Branco, presidente da associação.

"Era fundamental que fossem alargados a outras unidades hospitalares para que as pessoas que vivem fora destas áreas pudessem ter acesso a um treino de esforço que melhora imenso o controlo da doença", adiantou.

A reabilitação respiratória "não cura, mas melhora a qualidade de vida das pessoas" com doenças respiratórias crónicas, nomeadamente a DPOC, que é causada, fundamentalmente, pelo tabagismo, mas também pela poluição ambiental, explicou Luísa Soares Branco.

A pneumologista Paula Simão explicou que a reabilitação respiratória ensina técnicas de relaxamento, de controlo da ventilação e da falta de ar.

"Este método ajuda a prevenir as crises, a reduzir os sintomas e a incapacidade de uma forma geral. Tudo isto se traduz no aumento da qualidade de vida", acrescentou.

Estima-se que em Portugal exista já meio milhão de portugueses com DPOC, mas a maioria desconhece a doença. Cerca de 80% dos casos são provocados pelo tabaco.

Sete em cada dez raparigas fumam

A Organização Mundial de Saúde diz que o consumo de tabaco está a crescer entre as jovens. É o resultado de um estudo realizado em 151 países, que indica que 7 em cada 10 raparigas adolescentes fumam, contra 12% dos rapazes.

Em Portugal, segundo a Direcção-Geral da Saúde, o consumo de tabaco tem registado, nos últimos anos, um ligeiro decréscimo nos rapazes e um aumento nas adolescentes e mulheres jovens.

Fonte: Rádio Renascença