Skip to content

Reabilitação Cardíaca

Dirigido a doentes cardíacos. Reduz em 50% a ocorrência de novos problemas cardíacos. Saber mais.

Reabilitação Respiratória

Dirigido a doentes respiratórios. Permite aliviar a fadiga muscular e a falta de ar. Saber mais.

Reabilitação para doentes com cancro

Dirigido a doentes após diagnóstico de cancro. Permite reduzir a fadiga e os enjoos. Saber mais.
Início
AVC: conhecer os sinais de alerta Imprimir e-mail
11-Nov-2013
Indicações da Sociedade Portuguesa do AVC no Dia Mundial do AVC que se realizou no passado dia 29 de Outubro.


A população em geral deveria aprender a reconhecer os sinais do acidente vascular cerebral (AVC) e agir de imediato sempre que um dos sintomas se manifeste, alertando o 112, considera o presidente da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral.
 
A propósito do Dia Mundial do AVC que se assinalou no dia 29 de outubro, Castro Lopes afirmou à agência Lusa que “o AVC é a principal causa de mortalidade e incapacidade em Portugal. Ainda assim, existe um desconhecimento dos sinais de alerta: falta de força num braço, face desviada ou fala perturbada”.
 
Em Portugal, o AVC é responsável pelo internamento de mais de 25.000 doentes por ano e por um elevado grau de incapacidade. Sabe-se que 50% dos doentes que sobrevivem a um AVC ficam com limitações nas atividades da vida diária. Segundo os últimos dados da Direção-Geral de Saúde, só em 2012, os hospitais portugueses receberam 19.177 doentes vítimas de Acidente Vascular Cerebral (AVC).
 
“Prevenir o AVC significa não só controlar os fatores de risco tradicionais como a obesidade, a hipertensão arterial, o colesterol, a fibrilação auricular, mas também evitar comportamentos de risco, como o álcool, o tabagismo e o sedentarismo” advertiu o especialista.
 
Os progressos alcançados “nas ciências básicas, na indústria farmacêutica inovadora e consequentemente nos cuidados a prestar aos doentes vítimas de AVC são evidentes, fundamentalmente, ao longo das três últimas décadas”, considera Castro Lopes.
 
“Quantas vidas salvas, quanta recuperação completa ou parcial com pequenos défices se obteriam se cada um se preocupasse e não se comportasse como de olhos fechados e ouvidos moucos aos sucessivos alertas”, sublinhou.
 
Face a esta realidade, a Sociedade Portuguesa do AVC decidiu comemorar o dia mundial da doença com ações dirigidas à população em geral. Durante o Dia Mundial do AVC decorreram, entre as 10:00 e as 17:00, rastreios gratuitos aos fatores de risco do AVC, no Jardim da Cordoaria, junto ao Hospital de Santo António, no Porto.
 

Fonte: Alert

 

 
Pioneira

Acordos