Skip to content
Início seta Notícias seta Mais de metade dos portugueses com mais de 15 anos são inactivos
Mais de metade dos portugueses com mais de 15 anos são inactivos Imprimir e-mail
06-Aug-2012
Em Portugal, 51% das pessoas com mais de 15 anos (homens e mulheres) não cumprem os critérios de actividade física recomendada pelos especialistas, segundo a revista científica The Lancet, que divulgou ontem uma série de trabalhos sobre a actividade física em todo o mundo.

 

A lista de 122 países analisados tem uma média de 31,1% neste indicador de saúde e é o resultado de um dos cinco projectos apresentados pela The Lancet. A revista quis aproveitar a realização dos Jogos Olímpicos, que arrancam dentro de poucos dias em Londres, para um alerta global sobre a importância da actividade física.

Os vários trabalhos e comentários publicados ontem na edição online da The Lancetfornecem uma série de dados sobre a actividade física e, entre outros objectivos, quer ajudar a tornar os programas de prevenção de doenças não transmissíveis mais eficazes. O projecto liderado por Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas, no Brasil, é o que apresenta dados facilmente comparáveis sobre os vários países estudados. Assim, segundo este artigo, 54,4% das mulheres e 47,5% dos homens portugueses com mais de 15 anos estão classificados como fisicamente inactivos. O critério usado para esta conclusão apoia-se nas "doses recomendadas" de actividade física que apontam para caminhadas de pelo menos 30 minutos num mínimo de cinco vezes por semana ou praticar exercício mais intenso durante 20 minutos e três vezes por semana.

Os especialistas avaliaram o mesmo campo nos rapazes e raparigas com idades entre 13 e 15 anos e chegaram a um resultado global que aponta para que quatro em cada cinco adolescentes não são suficientemente activos. E também aqui Portugal sai mal na fotografia, principalmente as raparigas. De acordo com o mapa apresentado, em Portugal entre 80% a 90% dos rapazes e mais de 90% das raparigas nestas idades não estão a conseguir cumprir 60 minutos de actividade física (moderada ou intensa) por dia.

Ainda assim, há mais sete países na Europa que estão pior do que Portugal no que se refere à actividade física recomendada para maiores de 15 anos. Assim, Malta é o pior no continente europeu, com 71,9% no grupo que tem indicadores piores do que Portugal e que inclui ainda a Sérvia (68,3%), Reino Unido (63,3%), Turquia (56%), Chipre (55,4%), Itália (54,7%) e Irlanda (53,2%). Com os melhores resultados europeus está a Grécia (15,6%) a Estónia (17%) e a Holanda (18%), mas ainda assim longe de um lugar no pódio à escala mundial onde se encontra, por exemplo, Bangladesh (4,7%) e Moçambique (7,1%). Numa leitura geral, confirma-se o padrão das mulheres como menos activas e percebe-se que os países mais ricos são os mais inactivos.

A série lançada ontem pela The Lancet foca-se acima de tudo no impacto positivo da actividade física na saúde, sublinhando, por exemplo, que a inactividade é a causa de entre 6% a 10% de doenças como problemas cardíacos, diabetes do tipo 2 e cancro colorrectal e da mama. Uma em cada dez mortes associadas a estas doenças pode ser relacionada com a pobre actividade física. Os investigadores acreditam que a população mundial tem de ser alertada para os benefícios da actividade física, mas também deve saber qual o prejuízo de não ter este lado activo nas suas vidas.

Os dados revelam ainda que 41,5% dos adultos em todo o mundo passam mais de quatro horas sentados por dia, mas o indicador varia entre as várias regiões: no Sudeste Asiático são 23,8% e na Europa 64%. Entre outras conclusões, os investigadores acreditam que um dos culpados por esta inactividade mundial foi e é a revolução tecnológica, que deixa o mundo cada vez mais sentado.

Fonte: Público